Além de controles financeiros, você precisa ter o controle das suas emoções

Todas as pessoas no mundo compram. É parte de nossas necessidades diárias poder atender as solicitações do corpo ou da mente/ desejo.

Mas se você está cheio de dívidas, as preocupações pesam não somente o bolso, mas envolve outros campos que estimulam com que você entre em conflito consigo e com as demais pessoas.

De repente você se torna uma pessoa mais estressada, fatigada e ansiosa. Controlar os sentimentos lhe parece impossível, uma vez que parece que as suas finanças saíram do controle!

Muitas pessoas ao invés de controlar a situação, são levadas pelas consequências dos eventos causados por elas mesmas. O que quero dizer?

Que se você tem uma dívida de 30 mil reais no banco, é por que em algum momento faltou equilíbrio das finanças em comparação com as despesas e receitas.

O problema de ser compulsivo por compras

Pessoas bem-sucedidas também gostam de gastar.

A psicologia explica bem essa necessidade, pois o poder de compra dá poder a pessoa, fazendo-a sentir-se bem com o pagamento (ainda que por cartão de crédito).

A ação de comprar vem associada a conquistar algo novo e por isso a compulsão é estimulada pelo desejo de ter mais e mais e é aí que ocorrem os problemas, já que chega um ponto que é muito complicado, pois, ou você fica cheio de dívidas ou passará a sentir-se somente feliz quando comprar algo e por este motivo que não basta apenas ter controle das finanças, é preciso controlar as emoções, os impulsos!

Controlando os impulsos…

Para conseguir conciliar o equilíbrio financeiro com o emocional é necessário entender duas emoções que são básicas em todo ser humano e que estão sempre ocorrendo nas movimentações diárias pessoais ou profissionais, são estes o medo e a raiva.

O medo existe como uma forma de proteção, serve como um alerta. Por exemplo, uma pessoa não deseja subir alto demais, por medo de cair, dessa forma o corpo e a mente estipulam limites de aceitação, ou seja, se for um metro tudo bem, mas se passar disso, nada feito, você não ficará a essa altura!

O medo equilibrado é como uma placa de STOP, servindo assim de reflexão. Isso acontece com grandes empreendedores, quando estes precisam fazer investimentos, mas receiam que não dê certo e por isso preferem analisar com mais cautela.

Já quando uma pessoa não tem medo de nada, arrisca tudo e nessa história, muito dinheiro pode estar envolvido. Já quando a pessoa teme tudo, paralisa diante as ações, traz desequilíbrio da mesma forma em que todo sentimento exagerado acaba por gerar um sentimento negativo.

Enquanto o medo pode paralisar, dar cautela ou desenfrear uma ação, a raiva geralmente faz com que o indivíduo tenha reações de impulso e movimento. Pessoas que sentem constante raiva, tendem a gastar mais, como meio de escape em relação ao sentimento.

Muitos são os casos em que mulheres depois de brigar com o namorado ou com o marido, vão ao shopping fazer compras, tudo isso por pura condução de preenchimento para a carência afetiva.

Na verdade, não há problema nenhum em comprar coisas, produtos e etc. O grande X da questão é a forma como você está se relacionando com o dinheiro e fazendo da sua vida um caos por conta de suas decisões.

Há quem compre o que não quer por puro desequilíbrio, dessa forma prejuízos financeiros são adquiridos.

Por esse motivo se faz tão necessário saber lidar com as emoções para então equilibrar as finanças.

Quero lhe dizer que através do Coaching você pode aprender a gastar dentro de um contexto de equilíbrio. Mas para isso é preciso trabalhar o emocional!

Entre em contato e eu terei enorme prazer em lhe ajudar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *